Azul terá voo ligando destinos da Rota das Emoções

A partir de 5 de setembro, a Azul terá um voo panorâmico ligando Jericoacoara, Parnaíba, Barreirinhas e São Luís, explorando toda a beleza da Rota das Emoções. Em dezembro, a Azul expande sua presença no Piauí e passa a operar em São Raimundo Nonato, região da Serra da Capivara

fotos Shutterstock





Rios, praias, dunas, igarapés, riquíssima biodiversidade, além de excelente gastronomia e intensa vida cultural. O trecho do litoral nordestino que vai do Ceará até o Maranhão, passando pelo Piauí, tem belezas e atrações capazes de agradar vários tipos de visitante. Foi nesse contexto que a Rota das Emoções surgiu, em 2005. O roteiro propõe um passeio pelos três estados, com paradas em cartões-postais como Jericoacoara, no litoral cearense, Delta do Parnaíba, no Piauí, e Lençóis Maranhenses.

Pois agora, fazer esta rota ficou ainda mais emocionante. A partir de 5 de setembro, a Azul terá um voo panorâmico diário partindo de Aracati, no Ceará, às 8h, com destino a Fortaleza. Da capital cearense, o voo decola para Jericoacoara, destino paradisíaco de águas claras e areia branca. A próxima parada é em Parnaíba, já no Piauí, uma das entradas para conhecer o exuberante Delta do Parnaíba. De lá, o voo segue para Barreirinhas, no Maranhão, a terceira base de operações da Azul no estado e a entrada para os belíssimos Lençóis Maranhenses. A última parada é em São Luiz, onde o Cliente pode se conectar a toda a malha doméstica da Azul. No sentido contrário, o voo de volta parte de São Luiz às 15h20 e cumpre o mesmo trajeto, chegando em Aracati às 21h55. O voo inédito será a bordo da aeronave Cessna Grand Caravan, uma experiência única de explorar as belezas do litoral nordestino.

Hoje, a Azul já oferece voos para Parnaíba e Jericoacoara, partindo de Viracopos, em Campinas, e de Confins, em Belo Horizonte. A partir de setembro, a companhia irá aumentar a presença em Parnaíba e Jericoacoara com quatro voos semanais para Campinas. Com isso, a cidade cearense passará a ter voos diários da Azul.

A outra grande novidade é que, em dezembro, a Azul incrementa sua malha no Nordeste e passa a operar no aeroporto de São Raimundo Nonato, no Piauí. A nova base será a terceira da companhia no estado, que já conta com voos para Parnaíba e para a capital, Teresina. São Raimundo Nonato é a porta de entrada do Parque Nacional Serra da Capivara, reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade por ser considerado o berço da civilização sul-americana, já que a área tem a maior e mais antiga concentração de sítios pré-históricos da América. A nova rota, às quintas e domingos, vai conectar a São Raimundo Nonato a Petrolina e Recife, em Pernambuco, de onde o Cliente poderá se conectar a toda malha aérea da Azul. Confira abaixo as principais atrações de alguns destinos da Rota das Emoções e saiba mais sobre o novo destino São Raimundo Nonato, no Piauí.





Canoa Quebrada

A Praia de Canoa Quebrada, no município cearense de Aracati, impressiona com sua imponência. São quilômetros de falésias vermelhas, com mais de 30 metros de altura, banhadas por um mar de águas cristalinas e quentinhas, ideias para passar o dia descansando. Se bater fome, a orla está repleta de quiosques com várias opções de petiscos, bebidas e até prato para quem quiser fazer uma refeição mais reforçada. Quer tirar aquela foto inesquecível? Percorra a  passarela de madeira erguida sobre as falésias que leva até o mirante, com uma vista privilegiada do Oceano Atlântico. Por falar em imagens inesquecíveis, a figura da estrela envolta pela lua crescente esculpida na falésia de Canoa Quebrada é uma espécie de ponto obrigatório para quem quer conhecer o lugar e fazer aquele registro da viagem. Não se sabe ao certo a origem do símbolo, mas a principal teoria é a de que ele foi trazido por um casal estrangeiro que visitava o local e pediu que o artesão Chico Eliziário (1916-1990) fizesse anéis com osso de tartaruga. O enfeite fez tanto sucesso que Chico recebeu pedidos de vários moradores e visitantes e o símbolo transformou-se em marca do lugar. Anos mais tarde, Chico esculpiu a figura que fica em uma das falésias e se tornou cartão-postal do lugar. Logo ao lado fica a Praia do Morro Branco, famosa pelo Monumento Natural das Falésias. Caminhe até a areia em direção aos bugueiros para que eles levem até a próxima parte do passeio. De lá, o roteiro segue para a vizinha Praia das Fontes, com suas pequenas grutas, e termina nas dunas e nas lagoas de água doce da Praia do Uruaú.





Jericoacoara

Antiga vila de pescadores, Jericoacoara cresceu ao longo dos anos e se transformou em um dos destinos mais procurados do País. Hoje a cidade cearense tem hotéis de luxo, boa gastronomia e lojas de grife. No entanto engana-se quem pensa que o lugar perdeu sua essência ou charme. Isso porque as entidades locais têm se esforçado para proteger a cidade com inciativas como a criação do Parque Nacional de Jericoacoara, em 2002 e a proibição de carros particulares.  Um dos principais cartões-postais do destino, a Praia de Jericoacoara impressiona com seu mar azul. Ao redor os bares, restaurantes e beach clubs são uma boa opção para matar a fome ou saborear um drinque. Reserve energia e disposição para entardecer. Por sua localização peninsular, Jericoacoara é um dos raros locais brasileiros onde se pode ver o sol nascer e se pôr no mar. Não à toa, é o pôr do sol mais famoso do Brasil, uma atração tão incrível que se tornou passeio obrigatório. Existe um ponto da cidade onde o fenômeno ganha nuances especialmente poéticas: a Pedra Furada. O arco de pedra, de cor avermelhada e cinco metros de altura, é um dos mais famosos cartões-postais de Jeri e tem uma posição estratégica para fotos. Não gosta de imagens lotadas de gente? Acorde cedinho, antes das 5h da manhã, e caminhe até a região para assistir ao nascer do sol. Além de o lugar estar bem mais vazio, os raios solares refletem na face da pedra, com o mar espumando através dela, garantindo registros instagramáveis.





Lençóis Maranhenses

Milhares de dunas, lagoas de água cristalina e a grandiosidade do Oceano Atlântico. Esse é o cenário que forma os Lençóis Maranhenses. Localizado a 270 quilômetros de São Luís, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses possui cores e encantos que só podem ser captados pelos nossos próprios olhos. São cerca de 10 mil lagoas, algumas temporárias e outras perenes, entre elas as famosas Lagoa Bonita, do Descanso e do Gavião. O parque fica bem perto do Centro de Barreirinhas, cidade que é a principal porta de entrada para os lençóis. Uma boa maneira de conhecer alguns dos lagos é a bordo de jipes 4×4, passeios que são oferecidos pelas agências de turismo locais. Os veículos percorrem várias trilhas até as dunas e fazem paradas estratégicas para que os visitantes possam se refrescar nas águas mornas e cristalinas do lugar.  Outro modo de contemplar o espetáculo natural é navegando o rio a bordo de uma das lanchas, ou voadeiras, como os locais chamam esse tipo de embarcação. Durante o tour, é possível avistar os famosos guarás, pássaros que impressionam pela penugem de forte coloração vermelha. O passeio nos leva também a lugares como Mandacaru, na foz do rio. O pequeno povoado abriga um dos cartões-postais do lugar, o Farol de Mandacaru, ou Farol de Preguiças, como alguns o conhecem. Inaugurado em 1940, tem 35 metros de altura e oferece uma visão panorâmica da região. Chegar ao topo exige uma certa disposição física, já que é preciso enfrentar os 160 degraus da escada, construída em formato caracol. 





LEIA TAMBÉM: Julho terá voos extras e 13 novas rotas da Azul





Delta do Parnaíba

Nas aulas de geografia, aprendemos que delta é o trecho de um rio que desemboca em vários canais, lembrando a letra do alfabeto grego. Nenhuma imagem, porém, é capaz de descrever a beleza desse tipo de formação. É um espetáculo natural inesquecível, que faz do Delta do Parnaíba, localizado entre os estados do Piauí e do Maranhão, um dos mais lindos do mundo. Conhecidos como Baía do Igaraçu, Baía das Canárias, Baía do Caju, Baía da Melancieira e Baía de Tutoia, esses “braços” formam um arquipélago com 2.700 quilômetros quadrados de área e mais de 70 ilhas. Destas fozes, a Baía do Igaraçu é a única que fica inteiramente no território piauiense. Ao Leste, a Baía das Canárias fica na divisa entre o Piauí e o Maranhão e as demais baías, Caju, Melancieira e Tutoia, localizam-se no Maranhão. Para quem está no Piauí, o passeio pelo arquipélago começa no Porto dos Tatus, localizado na cidade de Ilha Grande, a cerca de 10 quilômetros de Parnaíba. De lá, os barcos partem para destinos diferentes, percorrendo as ramificações do Rio Parnaíba. A vegetação é formada por um impressionante mangue vermelho e por carnaúbas, árvores que já foram a base econômica da região devido à versatilidade. Sua palha, por exemplo, é usada na construção e reveste o telhado de vários bares e pousadas locais e a cera extraída de suas folhas é um dos principais componentes dos discos de vinil.





São Raimundo Nonato

O interior do Piauí guarda relíquias históricas de mais de 25 mil anos, quando o homem ainda fazia pinturas rupestres nas paredes de cavernas. Para se ter uma ideia da importância dessa descoberta, esses são os registros mais antigos da presença do homem na América do Sul. Para preservar tamanhas preciosidades, consideradas Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco, foi criado o Parque Nacional Serra da Capivara, em 1973. Os caminhos pela serra nos levam aos diferentes circuitos que compõem o parque, a exemplo do que leva ao Boqueirão da Pedra Furada, que tem mais de 10 sítios arqueológicos e abriga o grande ícone da Serra da Capivara, a Pedra Furada, um paredão rochoso com uma enorme fenda circular. Se tiver disposição suba a trilha que leva ao alto da pedra, de onde é possível ter uma vista privilegiada da bela formação rochosa.  O lugar também tem museus importantes como o Museu do Homem Americano, que guarda ossadas humanas datadas de milhares de anos e apresenta teorias sobre o povoamento da América. Já o Museu da Natureza apresenta aos visitantes um panorama da rica biodiversidade da região. Entre os dias 26 e 30 de julho, o parque recebe a Ópera da Serra da Capivara, evento que terá atrações como Roberta Sá, Cordel do Fogo Encantado e Dona Onete. Homenageada desta edição, a arqueóloga Niéde Guidon será tema dos espetáculos de abertura. Com apresentações de música, dança e projeções, os shows contarão a trajetória de Niéde, grande responsável pela descoberta das inscrições rupestres no Sudeste do Piauí e pela criação do Parque Nacional Serra da Capivara, desde que chegou à região, há 50 anos. 





Quer conhecer as maravilhas da Serra da Capivara, no Piauí? Reserve já suas passagens da Azul para São Raimundo Nonato clicando aqui.