Hotelaria em novos tempos

Em 2020, hotéis, pousadas e resorts tiveram que se reinventar diante de outra realidade. Confira como estabelecimentos de todo o País adaptaram suas operações para receber os hóspedes com segurança 

por Bruno Segadilha | fotos Divulgação 





Accorhotels

Para atrair o público que precisou ficar fora de casa por causa da pandemia ou que teve que pensar em novas formas de moradia durante a crise, a rede francesa ampliou a oferta de longa estadia em seus hotéis. “Neste momento de crise, muitas pessoas precisam renegociar seus aluguéis, estão de mudança de residência, são estudantes longe da família, profissionais de saúde, expatriados ou pessoas que precisam reavaliar soluções de moradia”, afirma Olivier Hick, COO das marcas econômicas e midscale da Accor Brasil. O serviço está disponível em 24 unidades Accor na Grande São Paulo e em mais 24 endereços no Brasil. Nos hotéis das marcas Novotel, Mercure, Ibis, Ibis Styles e Adagio Aparthotel, os hóspedes têm desconto de 50% no primeiro mês para estadias a partir de três meses. Os serviços de limpeza e troca de enxoval são feitos uma vez por semana e as tarifas de água e eletricidade estão incluídas no pacote. Tem um cãozinho? Não se preocupe. Os ambientes são pet friendly. all.accor.com/brasil





Hilton

As unidades do Hilton da Barra da Tijuca e de Copacabana, no Rio de Janeiro, e do Morumbi, em São Paulo, foram as primeiras da rede a serem reabertas. Para isso precisaram se adequar ao programa CleanStay, lançado globalmente pela bandeira. Os quartos são lacrados para mostrar que ninguém esteve ali depois da higienização, que inclui uma desinfecção extra em partes frequentemente tocadas, como maçanetas, controles remotos e interruptores. Caso não se sinta à vontade em ter equipes entrando nas suítes diariamente, o hóspede pode solicitar que a limpeza seja feita apenas em alguns dias ou só no momento de sua saída. Itens como canetas, blocos de papel e menus impressos foram retirados dos quartos. O room service é feito sem contato algum: os pedidos e utensílios descartáveis são colocados do lado de fora da porta. “Está claro que, mais do que nunca, limpeza e higiene são preponderantes na hora de escolher um hotel. O programa CleanStay tem reforçado junto aos nosso clientes uma sensação de confiança que eles valorizam muito”, diz Jorge Giannattasio, vice-presidente sênior e head de operações do grupo no Caribe e na América Latina. hiltonhotels.com





LEIA TAMBÉM: 5 hotéis em clima campestre





Fasano

As chaves são higienizadas e entregues em bandejas, sem contato com ninguém. As malas passam por uma rigorosa limpeza antes de seguir para as suítes, que são desinfectadas com aspiradores de filtro HEPA, capazes de matar 99,9% dos vírus e bactérias do ambiente. Esses são alguns dos cuidados que as sete unidades do grupo Fasano vêm tomando desde sua reabertura, em julho. Está com saudade da boa comida servida nos empreendimentos da charmosa rede de hotéis? Os restaurantes foram reformulados para atender às regras de isolamento social, com maior distanciamento entre as mesas e novos espaços ao ar livre. Na cozinha, um alarme sonoro sinaliza aos funcionários que é preciso lavar as mãos periodicamente. “Passamos por muitos treinamentos durante o período em que estivemos fechados para que a adaptação e a aceitação fossem realizadas de forma natural. O resultado foi bastante positivo”, diz Constantino Bittencourt, sócio diretor do grupo. fasano.com.br





GJP Hotels & Resorts

O grupo brasileiro GJP Hotels & Resorts uniu-se ao hospital Sírio-Libanês para adotar a certificação de biossegurança nos hotéis da rede. As plantas arquitetônicas dos dez estabelecimentos, incluindo os das marcas Wish, Prodigy e Linx, foram analisadas para que os especialistas identificassem as áreas de maior fluxo de pessoas. Com essas informações, eles definiram novos limites de ocupação e estabeleceram medidas como a utilização de itens descartáveis e um distanciamento mínimo entre as mesas e cadeiras dos bares e restaurantes e da piscina. Outra novidade é o WebApp: QR-codes espalhados em todas as dependências dos hotéis proporcionam acesso a um menu completo de serviços. Por meio dessa plataforma digital os hóspedes podem fazer check-in e check-out, reservar restaurantes e atividades, além de comprar itens para o minibar. “Essa ferramenta já estava em desenvolvimento antes da pandemia e vai continuar. Em relação a outras medidas, vamos analisar como a situação deve se desenrolar nos próximos meses”, diz Fabio Godinho, CEO da GJP Hotels & Resorts. gjphotels.com.br





Belmond

Tradição é tradição. Por isso a rede britânica decidiu reativar dois clássicos do Belmond Copacabana Palace, no Rio: a Feijoada do Copa, aos sábados, e o brunch, aos domingos, ambos servidos no restaurante Pérgula. A feijoada agora chega diretamente à mesa em três tempos: entrada, prato principal e sobremesa. Já o brunch continua em estilo bufê, mas servido por um funcionário. Outra boa notícia é que os restaurantes Cipriani e Mee também foram reabertos e estão funcionando com 50% de ocupação. “Atuamos incansavelmente para garantir uma retomada segura e tranquila”, diz Andréa Natal, diretora-geral do hotel. Outra estrela do grupo, o restaurante Itaipu, no Belmond Hotel das Cataratas, em Foz do Iguaçu, reorganizou suas mesas para respeitar o distanciamento social. O cardápio foi integralmente mantido, com delícias como o pirarucu com beurre blanc de tucupi, legumes brasileiros e farofa de banana, criação de Jean Paul Barbier, chef executivo do hotel. “O cumprimento das normas é um dever do estabelecimento e deve ser feito da maneira mais natural possível”, explica Andrea Emmerling, gerente geral do empreendimento. belmond.com





LEIA TAMBÉM: 7 lobbies de hotel mais criativos do mundo





Soluções criativas

A preocupação com higiene e segurança não se restringe apenas a unidades de grandes redes. Hotéis de grupos menores ou que não pertencem a nenhuma rede também precisaram reorganizar suas operações para voltar a receber hóspedes. A exemplo do Verdegreen Hotel, em João Pessoa, Paraíba, conhecido por seu foco na sustentabilidade e pelo ecodesign. Desde que foi reaberto, o empreendimento aumentou a frequência dos exames bacteriológicos e fisioquímicos de seus reservatórios. Além disso, implantou sistemas de check-in a distância e de QR-codes para solicitar serviços.

Para respeitar os limites de distanciamento social, o Rio Quente Resort, em Caldas Novas, Goiás, reduziu em 50% a sua capacidade e tem utilizado cada vez mais tecnologias que vinha desenvolvendo há alguns anos para facilitar a vida dos clientes. Logo no início da viagem, por exemplo, os hóspedes são orientados a realizar o check-in on-line e antecipado e pulseiras com tecnologia de aproximação substituem os cartões de acesso. 

Em Trancoso, Bahia, o luxuoso Etnia Casa Hotel inovou ao utilizar a tecnologia em biossegurança Fog in Place (foto): um aparelho produz uma névoa atóxica, inodora e seca que cobre todas as superfícies com uma nanopelícula de inativação de bactérias e vírus, entre eles o novo Coronavírus. Uma medida que prova que a criatividade e o espírito empreendedor também podem ser ótimos instrumentos de prevenção.