Flores, cores e sabores em Belo Horizonte

No aprazível O Jardim Restô Bar, o chef mineiro Caio Soter orquestra um agradável arranjo de receitas mineiras com toques autorais, num salão colorido e arejado 

fotos Rubens Kato, Victor Schwaner e Sunday Slices





Salão d’O Jardim, com painel de Thiago Mazza, ao fundo

Desde que abriu as portas para o público, em agosto, O Jardim Restô Bar tornou-se um agradável refúgio urbano no coração de Belo Horizonte. Pudera. Localizado numa esquina do bairro Santa Lúcia, o restaurante tem um salão repleto de verde, com cadeiras e pratos coloridos, muita luz natural e um lindo painel florido do artista Thiago Mazza. A casa também possui uma varanda arejada, mais do que nunca bem-vinda nos tempos atuais – e não se surpreenda se, no meio do almoço, você enxergar um tucano saltando nos galhos de uma árvore do outro lado da rua.

É nesse jardim de muitas plantas e muitos tons que o chef Caio Soter pratica sua cozinha, igualmente alegre e colorida. Nascido e criado em Belo Horizonte, Caio bem que tentou fazer direito – literalmente. Formou-se e atuou como advogado tributarista. Mas em 2009, ainda na faculdade, fez um estágio no Warren Miller Restaurant, em Montana, nos Estados Unidos. Ali percebeu que sua maior vocação talvez fosse a cozinha, e não os tribunais. Em 2017, fundou a Umami Steaks, pioneira na produção de dry aged em Minas Gerais, e trabalhou ao lado de grandes chefs, como Flávio Trombino, Fred Trindade e Felipe Galastro. Em 2019, Caio tornou-se chef executivo do renomado Alma Chef, do chef Felipe Rameh – e aí desistiu de vez da advocacia. Em 2020, foi um dos participantes do reality show Mestre do Sabor, da Rede Globo. “Mas aí chegou a pandemia e, em junho, o Alma fechou. Dois meses depois, fui convidado para assumir a cozinha d’O Jardim”, conta Caio. “O restaurante já funcionava desde maio, mas achei tão a minha cara que muita gente pensou até que eu tivesse participado do projeto (risos). Sempre me senti muito à vontade com o salão, com a equipe e com o conceito”, diz.

Essa naturalidade é evidente nos pratos que chegam à mesa. A comida d’O Jardim é confortável, empolgante, com uma evidente valorização dos ingredientes locais e do típico receituário mineiro, com toques autorais de Caio. “Busco fazer uma gastronomia afetiva, trazer tudo aquilo que atiça a memória gostosa dentro das pessoas, algo que esquenta o coração, ao mesmo tempo que alimenta”, explica o chef. 













O afago já começa nas entradas, como os pastéis de bobó de camarão, as coxinhas de frango caipira com catupiry de açafrão-da-terra, o suculento torresmo de barriga de porco com molho de jabuticaba picante e um tentador steak tartar com emulsão de cogumelos e brioche tostado. Guarde um bom espaço, porém, para o prato principal. Um dos carros-chefes da casa é a galinhada mineira com ora-pro-nóbis, em que a ave de pele crocante descansa sobre o arroz bem temperado, quiabos tostados e ovo mollet. Considere também provar o cupim ao roti de doce de leite (!) com purê de batata-doce roxa, farofa de maracujá e cebola queimada. Ou o parmegiana de Beef Angus, com purê de abóbora, tomate defumado e queijo da Canastra gratinado. Quer mais afeto culinário do que isso?





LEIA TAMBÉM: Origem 75: gastronomia orgânica e imersão na natureza













Caso ainda precise de um carinho extra, aposte na broa brullée de milho com gelato de coco ou no bolo de cenoura com brigadeiro e sorbet de cenoura. Para completar a experiência, peça um drinque do barman Felipe Brasil e torça para aquele tucano brincar na árvore da esquina. Afinal, um bom jardim é aquele que faz a gente relaxar e se encantar.

O Jardim Restô Bar 31 3318 7787 // Instagram: @ojardimrestobar