Selo eureciclo traz menos impacto e mais consciência

Parceira da Azul desde o ano passado, a eureciclo fez a compensação ambiental de todas as embalagens plásticas dos snacks servidos nos voos da empresa em 2020, o equivalente a 103 toneladas de resíduos sólidos

por Bruno Segadilha | fotos Divulgação





Reduzir os impactos ambientais e manter um crescimento sustentável é uma preocupação crescente entre grandes empresas e marcas. Desde 2010, quando foi instituída, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) prevê que a responsabilidade sobre o produto cabe a comerciantes, fabricantes, importadores, distribuidores, cidadãos e titulares de serviços de limpeza e manejo dos resíduos sólidos urbanos. Um desafio e tanto, ainda mais no Brasil, que recicla apenas 3% do lixo. Foi a partir dessa necessidade que a eureciclo nasceu em 2017. O selo conecta companhias como a Azul a cooperativas de reciclagem para que façam o reprocessamento do lixo produzido em suas atividades. Em 2020, a eureciclo fez a compensação ambiental de 100% das embalagens de plástico dos snacks oferecidos nas aeronaves da Azul ao longo do ano, o equivalente a 103 toneladas de resíduos sólidos. “Garantimos que centrais de triagem espalhadas no Brasil destinem para a reciclagem a mesma quantidade de plástico gerada pela Azul, e que essas centrais sejam remuneradas por isso”, afirma João Contatto Gasparini, responsável pela área de Novos Negócios da eureciclo, maior certificadora de logística reversa de embalagens do País. A seguir, ele fala sobre a criação do selo e como funciona o seu trabalho.





João Contatto Gasparini, responsável pela área de Novos Negócios da eureciclo

Como surgiu a eureciclo? 

A eureciclo é um selo da New Hope Ecotech, empresa de 2015 que trouxe a primeira tecnologia para rastreamento dos resíduos pós-consumo do Brasil. O principal objetivo da startup, desde sua fundação, é promover o setor e ajudar a elevar as taxas de reciclagem em um País com tantos desafios como o Brasil. Com o passar dos anos, essa tecnologia ganhou forma por meio do selo eureciclo e se consolidou como uma solução que atende à necessidade das empresas para cumprimento da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos). 





Como é o trabalho da empresa?

A eureciclo conecta cooperativas e marcas. As empresas pagam pelos Certificados de Reciclagem, que podem ser comparados aos créditos de carbono, e o valor é repassado para operadores e cooperativas como uma remuneração adicional à venda do material. Esse valor extra ajuda a estruturar a cadeia e promover melhorias para os trabalhadores e nos espaços ou maquinários utilizados. O processo funciona com o modelo de compensação ambiental, que faz a reciclagem de resíduos equivalentes, mas não exatamente os mesmos colocados no mercado pelas marcas.





Muito se tem falado sobre logística reversa, solução usada pela eureciclo. O que vem a ser esse conceito?

Logística reversa é o caminho que um resíduo (no caso da eureciclo, embalagem) percorre para que retorne à cadeia produtiva na forma de matéria-prima, impedindo que ele acabe incorretamente no meio ambiente. O conceito é a base da economia circular e passou a ser fundamental em um momento em que o planeta pede socorro por conta das ações do homem. A eureciclo promove a logística reversa por meio da compensação ambiental, que segue esse mesmo princípio, mas, em vez de retornar a embalagem de uma marca para a cadeia produtiva, ela remunera cooperativas e operadores para reciclarem uma quantidade de material equivalente ao das suas embalagens, na mesma região onde foram comercializadas. 





Quais as vantagens dessa solução em relação à reciclagem tradicional?

Além de ter o mesmo valor legal, isso facilita o processo e o torna mais acessível, uma vez que a empresa não terá que arcar com altos custos de rastreamento de embalagens após o descarte dos consumidores. Mas o principal benefício desse modelo é que ele funciona muito bem em um País de dimensões continentais como o Brasil. Afinal, recuperar exatamente o mesmo resíduo descartado considerando essas condições é uma tarefa praticamente impossível.





LEIA TAMBÉM: Thales traz tecnologia e inovação a bordo





Como funciona a parceria com a Azul?

A parceria se dá na compensação ambiental de 100% das embalagens de plástico dos snacks oferecidos a bordo. Na prática, a eureciclo garante que centrais de triagem espalhadas no Brasil destinem para a reciclagem a mesma quantidade de plástico gerada pela Azul e que essas centrais sejam remuneradas por isso. Em 2020 foram 103 toneladas, e 21 centrais de triagem foram impactadas.





Como está a reciclagem no Brasil? 

O Brasil possui diversas iniciativas no setor da reciclagem, porém ainda encontra dificuldades para um cenário ideal. Segundo estudo do IPEA, 90% do lixo gerado no País é coletado, mas apenas 3% do resíduo reaproveitável é reciclado. O restante é basicamente destinado a aterros sanitários ou lixões. De acordo com a Abrelpe, ainda existem lixões em pelo menos 3.000 cidades do País, mesmo os lixões sendo proibidos desde 1981.













Qual a importância da Política Nacional de Resíduos Sólidos?

A PNRS é considerada um marco no assunto do tratamento de resíduos sólidos no Brasil. Ela traz um conceito importante, que é o da responsabilidade compartilhada entre todos os envolvidos no “caminho” do resíduo, estabelecendo que fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e também consumidores (muitas vezes quem faz o descarte após o uso) são responsáveis pela destinação correta dos resíduos.Com os pontos da PNRS estruturados, com a fiscalização adequada e com a educação e a conscientização da sociedade em relação ao tema, temos grandes chances de melhorar o cenário atual.





É possível tomar alguma atitude dentro e fora dos voos para reduzir o impacto dos resíduos produzidos?

Claro, existem diversas formas. Normalmente giram em torno dos chamados “3 Rs da Sustentabilidade”: reduzir, reutilizar e reciclar. Além desses, existe um quarto R, de repensar, que leva à reflexão de hábitos de compra, resultando em um consumo mais consciente. Separar o lixo doméstico em orgânico e fração seca (recicláveis e lixo comum) também é importante. Se não existe coleta seletiva na sua rua, você pode levar os resíduos recicláveis aos Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) ou para alguma central de triagem próxima. Além disso, depois de consumir um produto, você pode usar sua criatividade para transformar o que iria para o lixo em alguma outra coisa. Garrafas, por exemplo, podem virar vasos. E por aí vai.