10 pontos turísticos para visitar em São Paulo

Visitar São Paulo é um delicioso desafio. São vários ícones, parques e museus para conhecer. Selecionamos alguns dos pontos turísticos mais famosos da cidade que completa 468 anos no dia 25 de janeiro

por Bruno Segadilha  |  fotos Shutterstock





ESTAÇÃO DA LUZ

O espaço tornou-se um importante cartão-postal da capital paulista graças à sua importância e à desafio. São. O projeto, idealizado pelo britânico Charles Driver, mistura elementos góticos, a exemplo das torres paralelas que são uma referência às da Abadia londrina de Westminster, e do relógio, inspirado no Big Ben. O resultado foi tão marcante que, em 1982, a obra foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat). Por ali passam diariamente 250 mil passageiros, vindos de uma das 840 viagens realizadas pela  CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). O prédio original funcionou até 1888, quando ganhou uma ampliação, e foi reaberto em 1901, com a instalação que conhecemos hoje. De lá para cá, passou por outras intervenções, entre elas a obra para anexar o Museu da Língua Portuguesa, restaurado após o incêndio de 2015.





PONTE ESTAIADA

Inaugurada em maio de 2008, é um marco na arquitetura mundial. Foi construída com duas pistas em curva que se cruzam e são sustentadas por estais ligados a um mastro único. Sua estrutura principal tem 138 metros de altura, o equivalente a um prédio de 46 andares, e dela saem 144 cabos que sustentam as duas vias. Batizada como Ponte Octavio Frias de Oliveira, ela liga a Avenida Jornalista Roberto Marinho à pista da Marginal Pinheiros, no sentido Interlagos, tem capacidade para aguentar 8 mil veículos por hora e suporta ventos de até 200 quilômetros por hora. Em 2017, a Prefeitura de São Paulo trocou todo o cabeamento de iluminação das lâmpadas da parte inferior e, na de cima, instalou 114 projetores de LED, dando à ponte um charme especial.





PINACOTECA

Instituição cultural mais antiga de São Paulo, a Pinacoteca foi aberta em 1905 e abriga um dos maiores e mais variados acervos de arte brasileira, com cerca de 11 mil peças. Entre elas trabalhos de artistas importantes, como Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Cândido Portinari. A arquitetura do prédio segue os princípios do ecletismo italiano, formado por três andares, com dois pátios internos. No centro do primeiro piso fica o saguão central, com um pé-direito alto e janelas voltadas para o interior. A Pinacoteca do Estado de São Paulo também administra a Pinacoteca Estação, espaço instalado no antigo edifício do DOPS, no Bom Retiro, onde mantém exposições temporárias de arte, a Biblioteca Walter Wey e o Centro de Documentação e Memória da instituição.





AVENIDA PAULISTA

Em 1891, quando a Avenida Paulista foi inaugurada, São Paulo era uma cidade em plena expansão. Seu projeto nasceu da necessidade de expandir a metrópole além da região central, que já estava plenamente ocupada. A enorme via tem quase três quilômetros extensão e fica em uma das áreas mais altas de São Paulo, passando por bairros como Bela Vista, Paraíso e Jardins. A empreitada para tirar a avenida do papel não foi fácil. O  uruguaio Joaquim Eugênio de Lima, engenheiro responsável pelo planejamento da via, precisou comprar terrenos de famílias como os Pamplona e Paim Vieira para colocar seu plano em ação. Hoje, a Paulista reúne prédios comerciais, bares, restaurantes, shoppings e espaços culturais, entre eles o MASP, um dos símbolos da cidade. Aos domingos, as duas pistas são fechadas para os veículos, dando espaço a uma importante área de lazer dedicada aos paulistanos.





LEIA TAMBÉM: 10 maravilhas da arquitetura pelo mundo





FAROL SANTANDER SP

Terceiro arranha-céu mais alto da cidade, o edifício Altino Arantes serviu como sede do antigo Banco Banespa entre 1947 e 2000, ano em que a instituição foi privatizada e mudou de nome. Seu projeto, idealizado pelo arquiteto Plínio Botelho do Amaral, foi inspirado no Empire State Building, de Nova York, o que justifica seus números superlativos: são 36 andares e 161 metros de altura. Em 2011, o prédio foi tombado pelo Patrimônio Histórico de São Paulo e, seis anos mais tarde, passou por uma grande reforma. Foi reaberto em janeiro de 2018, quando passou a abrigar o Farol Santander SP. O espaço possui diversas atrações culturais em 18 de seus 35 andares, entre elas a exposição Sombras Milenares, em cartaz até o dia 6 de março de 2022. A mostra reúne obras e instalações da dupla HYBYCOZO, formada pela canadense Serge Beaulieu e pela russa Yelena Filipchuk.





THEATRO MUNICIPAL

Sua grandiosidade e sua imponência destacam-se no Centro da cidade. Projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo, o  Theatro Municipal abriu suas portas ao público em 1911 com uma apresentação de O Guarani, de Carlos Gomes, seguida de uma encenação da ópera Hamlet , de Ambroise Thomas. O prédio foi inspirado na Ópera de Paris e mistura diferentes estilos arquitetônicos. Traços renascentistas marcam a fachada, com portas e colunas simétricas. No interior, as paredes, os vitrais e as colunas são cobertos por adornos e obras de arte variadas, mostrando clara influência do Barroco. Símbolo da alta sociedade paulistana, que, na época, prosperava com a fartura do ciclo do café, o edifício já passou por três grandes reformas e foi palco de eventos importantes, como a Semana de Arte Moderna, em 1922. Hoje continua recebendo espetáculos e tem capacidade para 900 pessoas.





PARQUE IBIRAPUERA

Inaugurado em 1954, o Parque Ibirapuera é um dos lugares mais visitados pelos paulistanos e por turistas. Além do amplo espaço para atividades ao ar livre, o lugar reúne diversas obras, como o Monumento às Bandeiras e o Obelisco, construções como o Auditório Ibirapuera, a Oca, a Bienal e o Museu de Arte Moderna. É ali que fica também o Museu de Arte Contemporânea (MAC USP), que ocupa o edifício projetado por Oscar Niemeyer em 1963. O prédio tem sete andares e abriga mais de 10 mil obras de artistas como Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e Pablo Picasso. Na cobertura do prédio o Vista, um dos restaurantes mais concorridos de São Paulo, oferece um ótimo cardápio, além de uma visão do parque. Lugar ideal para aproveitar a tarde ou a noite saboreando drinques.





LIBERDADE

O bairro abriga uma das maiores comunidades japonesas fora do Japão. A presença japonesa começou por volta de 1910, quando os primeiros imigrantes chegaram à cidade e elegeram a região como moradia por causa do baixo valor dos aluguéis. Ao longo dos anos eles inauguraram bares, restaurantes e lojas dedicadas aos produtos asiáticos e atraíram a atenção dos moradores e de visitantes. Na década de 70, o bairro recebeu decoração no estilo oriental com a instalação de lanternas no lugar de postes, que se transformaram em marca do lugar. Hoje, a Liberdade atrai turistas do mundo todo com sua arquitetura peculiar e sua ótima gastronomia.





LEIA TAMBÉM: As 10 montanhas mais bonitas do mundo





CATEDRAL DA SÉ

A Catedral da Sé começou a ser construída em 1913 e suas obras duraram algumas décadas, sendo concluídas apenas em 1954. Por isso o autor do projeto, o arquiteto alemão Maximilian Emil Hehl, não chegou a participar da inauguração da igreja, considerada o quarto maior templo gótico do mundo. Sua arquitetura impressiona pelas torres pontiagudas, que atingem 92 metros de altura, pelas estruturas côncavas no teto e pelos belos vitrais. O prédio, que tem 112 metros de comprimento por 47 metros de largura, foi erguido com mais de 800 toneladas de mármore e guarda uma capela no andar subterrâneo. O lugar, aberto a visitação, guarda os restos mortais de diversas personalidades, como o Padre Bartolomeu de Gusmão, que inventou os balões aerostáticos.





MERCADO MUNICIPAL

Inaugurado em 25 de janeiro de 1933, o edifício foi construído no estilo neoclássico, com toques góticos, no Centro da capital. Sua estrutura de concreto e alvenaria de tijolos segue o modelo do Mercado Central de Berlim e impressiona pela beleza dos 55 vitrais. Obra do engenheiro Felisberto Ranzini, o Mercadão – como é conhecido – foi projetado para ser um armazém de pólvora e munições, mas, ao longo dos anos, transformou-se em um entreposto comercial onde, até hoje, vendem-se frutas, verduras, cereais, carnes, temperos e uma grande variedade de produtos alimentícios. Outro destaque são os quiosques de comidas e bebidas que servem iguarias como famoso sanduíche de mortadela, servido com generosas fatias do embutido.