Os melhores passeios da Chapada Diamantina

Maior e mais imponente das chapadas brasileiras, a Chapada Diamantina dá um banho de natureza com centenas de cachoeiras, grutas e poços de um azul impressionante. E tem um bônus: agora, chegar lá está mais fácil do que nunca. Confira aqui os melhores passeios da Chapada Diamantina, o oásis do sertão





por Giovanna Forcioni |  fotos Anna Carolina Negri





A Serra do Sincorá vista a partir do Morro do Pai Inácio

Ir uma única vez à Chapada Diamantina é uma missão quase impossível. É só começar a pesquisar sobre a região para perceber que, a não ser que você tenha férias sem data para acabar, roteiro nenhum dá conta da quantidade de cidades charmosas, cachoeiras, poços, caminhadas… Não é exagero nenhum dizer isso: são 24 municípios, um parque nacional de 152 mil hectares, mais de 1.500 km de trilhas, 200 grutas, 200 cachoeiras e muitos cantos que as agências de turismo ainda não descobriram.

Bem no coração da Bahia, a maior chapada brasileira talvez seja também um dos maiores tesouros do nosso sertão. Até quem já conhece pede bis e quer voltar. Vamos conhecer mais da Chapada Diamantina?





Vista aérea da Cachoeira do Buracão, em Ibicoara

No rastro do garimpo

Que a Chapada Diamantina é enorme (e coloca enorme nisso) você já sabe. E também deve imaginar que existem muitos jeitos de montar um roteiro na região. Os principais atrativos ficam longe um do outro e, para facilitar a logística, a melhor solução costuma ser dividir a estada em mais de uma cidade.

A “capital turística” da região é Lençóis e funciona como uma boa alternativa para quem quer ter o melhor dos mundos, conhecendo muito e se cansando pouco. Com apenas 11 mil habitantes, o vilarejo exala um jeitinho de cidade histórica mineira, mas com um “borogodó” que só a Bahia tem. É lá que você vai encontrar as melhores hospedagens do destino, como o charmoso hotel Canto das Águas, vários receptivos e agências de turismo e uma lista generosa de bons restaurantes.

Durante o dia, você pode caminhar nas ruas de paralelepípedos, encantar-se com suas casinhas coloniais coloridas e conhecer as histórias dos tempos áureos do garimpo de diamantes na região, no século 19. Mas é no entardecer que o Centro Histórico ganha vida. Restaurantes colocam mesinhas na calçada e viram point de turistas e locais que baixam lá para aproveitar a noite. Opção é o que não falta. De esquina, no casarão onde funcionava o antigo banco da cidade, fica o Garimpo Gourmet, que serve uma moqueca de camarão de se comer de olhos fechados. Um pouco mais à frente, no Bistrô Café do Mato, o carro-chefe é um crepe de carne de sol desfiada, com creme de queijo de coalho, banana-prata e mel. Imperdível!













Cachoeira e Poço do Diabo, a 20 km de Lençóis

É em Lençóis também que você consegue fazer um esquenta e já ir se preparando para as caminhadas, as paisagens e as (muitas) cachoeiras que estão por vir. Para começar com o pé direito, uma boa é a Cachoeira do Mosquito. Depois de mais ou menos meia hora de caminhada leve, você chega a uma queda-d’água no meio de imponentes paredões rochosos. É para tomar banho, sentar-se pedras e se esquecer da vida. Na volta, vale uma paradinha rápida no restaurante que fica dentro da propriedade, para provar o godó de banana-verde e o cozido de palma (cacto), dois clássicos da culinária regional.

A 20 km do Centrinho, o Poço do Diabo tem estrutura de lanchonete, lojinha e uma área deliciosa para mergulhar e tomar banho. Você vai descendo a pé, entre as pedras, pelo caminho do Rio Mucugezinho, até chegar à cachoeira e à piscina natural. De lá, aproveite e pegue a estrada até a cidade de Palmeiras, onde vai encontrar uma das panorâmicas mais fantásticas de toda a Chapada. A fama é tanta que o Morro do Pai Inácio já virou cartão-postal da região. Dá para chegar de carro quase até o topo e, depois, seguir a pé o fluxo montanha acima. Do alto dos seus mais de 1.100 metros, você começa a entender a dimensão do sertão.









LEIA TAMBÉM: Conheça o melhor de Pirenópolis





Para todos os gostos

Não bastassem todos os superlativos, a Chapada ainda é democrática. Ela oferece atrativos para todo tipo de turista, do mais aventureiro, que topa encarar quilômetros e quilômetros de caminhadas debaixo do sol, até o mais tranquilão, que prefere tomar banho de rio enquanto beberica um drinque aqui e outro ali. Mas uma coisa você precisa ter em mente: se quiser conhecer o crème de la crème da região não tem jeito, vai ter de cair na estrada. Para a experiência ser completa você precisa estender a viagem até Ibicoara, cidade a 220 km de Lençóis, na parte Sul da Chapada. E, mais precisamente, tem de começar a programação na Cachoeira do Buracão. Para chegar lá, são mais ou menos 30 km de estrada de terra a partir do Centrinho da cidade e uma caminhada de mais 3 km, margeando o Rio Espalhado e andando entre mandacarus e xiquexiques, até dar de cara com um cânion enorme, de 85 metros de altura. É ali que você veste o colete salva-vidas, cai na água e vai nadando entre os paredões rochosos até encontrar a cachoeira. Uma experiência para guardar na memória e encher o rolo da câmera. Na trilha de volta você ainda pode ir parando e se refrescando, sem pressa, em outras três quedas-d’águas que se formam no caminho. Não dá para perder.













LEIA TAMBÉM: O que fazer nas Cavernas do Peruaçu





Flutuação nas águas cristalinas do Poço Azul

Outro atrativo que está na lista de “obrigatórios” é o Poço Azul, na zona rural de Nova Redenção, a 90 km de Lençóis. Ele foi descoberto em 1920 por um grupo de garimpeiros que exploravam a região, mas só foi aberto para os turistas na década de 1990. O esquema ali é tomar uma ducha, vestir colete salva-vidas, óculos e snorkel e descer uma escadaria que leva para dentro da caverna. No interior da gruta, a surpresa é descobrir um poço de água tão cristalina que você consegue enxergar, sem dificuldade nenhuma, os até 21 metros de profundidade. Entre maio e setembro, a experiência fica ainda mais especial, graças a um feixe de luz natural que incide sobre o poço.

Para encontrar uma água capaz de competir com um azul tão intenso e cristalino só indo até a Fazenda Pratinha, no município de Iraquara. Com estilo de balneário, é um dos atrativos com melhor infraestrutura para quem tem dificuldade de locomoção ou viaja com crianças. É daqueles passeios para um dia inteiro: tem banho de rio, tirolesa, caiaque, stand up paddle e até spa para stand up paddle uma massagem relaxante. O ingresso dá direito a conhecer dois atrativos, a Gruta Azul, aberta apenas para observação, e a Gruta Pratinha, onde, por uma taxa extra, você pode fazer flutuação ao lado dos peixinhos. Um verdadeiro oásis em pleno sertão.









LEIA TAMBÉM: Dicas para curtir Foz do Iguaçu













Quer conhecer a Chapada Diamantina? Reserve já suas passagens no site da Azul ou programe uma experiência completa na Azul Viagens.