O que fazer nas Cavernas do Peruaçu

Um dos melhores destinos de ecoturismo do Brasil fica quase escondido no Norte de Minas Gerais, próximo a Montes Claros. Fomos até lá conhecer de perto o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, com mais de 140 cavernas, 80 sítios arqueológicos e pinturas rupestres de até 12 mil anos atrás!

texto e fotos Anna Carolina Negri





Imagine um parque com a natureza quase intocada, mais de 140 cavernas e 80 sítios arqueológicos repletos de pinturas rupestres. Pois esse paraíso do ecoturismo existe e fica mais pertinho do que pensamos, no Norte de Minas Gerais. Trata-se do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, que abrange os municípios de Januária, Itacarambi e São João das Missões, a cerca de 200 km de Montes Claros, destino que recebe voos regulares da Azul.

Com 56.448 hectares de extensão, o parque foi criado em 1999, mas só foi aberto para visitação em 2014. Tem trilhas bem demarcadas nas áreas de mata e passarelas de madeira próximas aos paredões e às cavernas. A estrutura é boa, mas não há venda de alimentos no local – vale levar água e comidas leves, além de usar calçados fechados.

O parque é dividido em sete trilhas, com graus de dificuldade variados. Todas as visitas devem ser feitas com condutores ambientais credenciados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) – no site do órgão dá para consultar a lista desses profissionais e agendar sua visita. A entrada no parque é gratuita, mas o serviço dos condutores é cobrado. Reserve ao menos três dias para desbravar a região, hospedando-se em algum hotel de Itacarambi, a 15 minutos de carro do local.

Um dos melhores atrativos é a Gruta do Janelão, uma caverna com 100 m de altura, que vai se abrindo em novos espaços. Os salões têm estalactites monumentais, como a Perna da Bailarina, a maior do mundo. Outras populares são a Gruta do Índio e a Gruta Bonita, única caverna totalmente escura aberta a visitação.

Não deixe de visitar a Lapa dos Desenhos, com seus coloridos painéis de arte rupestre pré-histórica, a trilha do Arco do André, com mirantes naturais e cavernas gigantescas, e a Lapa do Boquete, onde está um dos principais sítios arqueológicos do parque.





O impressionante conjunto de espeleotemas que se parecem com enormes cogumelos vermelhos, na Gruta do Janelão
A famosa Claraboia do Coração, em um dos trechos da Gruta do Janelão





Os imensos paredões do Janelão
A imensidão do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu vista a partir do Mirante da Mata Seca; detalhe, à esquerda, da entrada da Caverna do Carlucio




LEIA TAMBÉM: 8 dicas para curtir Belo Horizonte





Pinturas nas paredes da Lapa do Caboclo

Passarela de madeira para observação das pinturas




A barriguda, ou paineira-branca, é uma árvore comum nas fazendas do entorno do Parque Nacional. A saliência no meio do caule, que lembra uma barriga, é, na verdade, um reservatório natural de água
A Gruta Bonita, uma caverna escura, é caracterizada pela grande variedade de espeleotemas, como estalagmites, estalactites, ninhos de pérola e colunas – e muitos deles ainda estão se formando gota a gota




Mocó, um dos roedores da região
Arte rupestre nos paredões da Lapa dos Desenhos

Quer conhecer Peruaçu? Reserve já suas passagens no site da Azul ou programe uma experiência completa na Azul Viagens.