10 maravilhas da arquitetura pelo mundo

Belas e imponentes, algumas construções impressionam por seus grandiosos projetos e por desafiar limites. Selecionamos 10 maravilhas da arquitetura pelo mundo





por Bruno Segadilha  |  fotos Shutterstock





BURJ KHALIFA

DUBAI // EMIRADOS ÁRABES

Erguido entre setembro de 2004 e janeiro de 2010, o edifício tem 160 andares e 828 metros, o que faz dele o mais alto do mundo. Os desafios do idealizador do projeto, o arquiteto norte-americano Adrian Smith, foram vários. Para começar, ele precisou criar um concreto que não secasse muito rapidamente e nem rachasse com o clima seco da região. A substância também deveria ser capaz de suportar a pressão gerada pela enorme quantidade de andares com seus apartamentos residenciais, escritórios, além do Armani Hotel. Smith viu-se ainda diante de outra grande questão: o desenho do prédio deveria considerar as correntes de vento a que a torre seria submetida. Por isso criou um edifício no formato de um “y”, revestido com alumínio e painéis de vidro, fazendo do Burj Khalifa um dos principais símbolos da arquitetura neofuturista.





















MURALHA DA CHINA

DE JIAYUGUAN À FOZ DO RIO YALUJIANG// CHINA

Série de fortificações feitas de pedra, tijolo, terra compactada, madeira e outros materiais, a grande Muralha da China tem impressionantes 8.850 quilômetros de extensão. Começa na cidade de Jiayuguan, no lado Oeste do país, e chega até a foz do Rio Yalujiang, na direção Leste, atravessando o Deserto de Gobi, quatro províncias chinesas, além de passar pela vizinha Mongólia. O início de sua construção é incerto. Por 1.900 anos os chineses ergueram muros para se protegerem contra a invasão dos povos do Norte. Depois da unificação do Império Chinês, em 259 a.C, o imperador Qin Shihuangdi começou a unificar a muralha, que foi ampliada nos anos seguintes, especialmente durante a dinastia Ming, no século 15, quando a construção atingiu seu auge.

























PALM ISLANDS

DUBAI // EMIRADOS ÁRABES

Em junho de 2001, a incorporadora de imóveis árabe Nakheel Properties deu início a uma das obras mais ousadas da humanidade: a construção de um arquipélago artificial no Golfo Pérsico. A primeira ilha, Palm Jumeirah, foi inaugurada em 2009 e abriga edifícios residenciais, centros de entretenimento e lazer, ocupando uma área equivalente a 5.800 campos de futebol. Para se contruí-la houve muitas dificuldades, a começar pelo material empregado. Apesar de Dubai estar em uma região desértica, a areia dali não podia ser usada na construção por ser muito fina. A solução foi dragar 85 milhões de metros cúbicos de sílica, que foi compactado e coberto por várias camadas de rocha. O custo disso tudo? Cerca de 12 bilhões de dólares.





USINA DE ITAIPU

RIO PARANÁ // BRASIL/PARAGUAI

Em tupi-guarani Itaipu significa pedra sobre a qual a água faz barulho. Nada mais adequado para definir um rio como o Paraná, com sua enorme bacia hidrográfica. Tão grande que a porção localizada na fronteira entre o Brasil e o Paraguai foi o lugar escolhido para abrigar a Usina Hidrelétrica de Itaipu. Construída pelos dois países entre 1975 e 1982, a usina binacional consumiu mais de 50 milhões de toneladas de terra e rocha, escavadas para deslocar o curso do rio e para formar a barragem de 196 metros de altura. O montante de materiais empregados na obra é colossal: o concreto usado na construção seria suficiente para erguer 210 estádios do Maracanã e a quantidade de ferro e aço utilizada equivale à usada em 380 torres Eiffel.





LEIA TAMBÉM: As 10 montanhas mais bonitas do mundo





TERRAÇOS DE BANAUE

BANAUE // FILIPINAS

A ideia é milenar e até hoje eficaz no plantio de arroz. Construídos em diferentes níveis até o topo de montanhas, os arrozais de Banaue captam as águas das chuvas nas colinas e aproveitam a força da gravidade para que cada terraço abaixo seja irrigado. Além de evitar desperdícios, a prática impede que o terreno sofra com erosões e que a região seja inundada nas épocas mais úmidas. Outro resultado dessa técnica é um efeito visual deslumbrante: de longe os morros dessa cidade filipina parecem “fatiados” em finas camadas, cobertas por uma vegetação que mais se assemelha a um tapete. Não à toa, o lugar recebe anualmente milhares de visitantes interessados em conhecer suas plantações e o estilo simples de vida dos locais, famosos também por seus rituais xamânicos. 





HOOVER DAM

RIO COLORADO // ESTADOS UNIDOS

Localizada no Rio Colorado, entre os condados de Clark, no estado de Nevada, e Mohave, no Arizona, a Hoover Dam é a maior usina hidrelétrica dos Estados Unidos. Foi construída entre os anos de 1931 e 1936, durante a Grande Depressão, e gerou mais de 5 mil empregos em uma das fases mais difíceis para a economia do país. Suas dimensões são colossais. São 221,4 m de altura, 379,2 m de largura, 200 m de espessura na base. Para construir tamanha barragem foram utilizados cerca de 2,5 milhões de m3 de concreto, quantidade suficiente para pavimentar uma estrada de mais de 4 mil quilômetros de comprimento. Não conseguiu visualizar o tamanho? Basta pensar em uma rodovia de mão dupla capaz de atravessar os Estados Unidos de ponta a ponta. Seu nome é uma homenagem a Herbert Hoover, presidente do país entre 1929 e 1933, que teve atuação decisiva para que o projeto saísse do papel.





RELÓGIO DE ABRAJ AL-BAIT

MECA //ARÁBIA SAUDITA

Inaugurado em 2012, o complexo de arranha-céus Abraj Al-Bait ostenta uma série de recordes e títulos, como o de hotel mais alto do mundo e de edifício com maior área coberta do planeta. O mais famoso deles, no entanto, é o de maior relógio do mundo. A enorme engenhoca fica em uma torre a 601 metros de altura e tem quatro faces, cada uma com 46 metros de diâmetro e mostradores de 36 metros. Abaixo deles, a inscrição “Deus é grande” brilha fortemente durante a noite, graças aos dois milhões de lâmpadas de LED que iluminam o relógio. Não à toa, a máquina pode ser vista a uma distância de até 30 quilômetros, tornando-se um dos cartões-postais da cidade. Sua localização é estratégica: o complexo fica a poucos metros da maior mesquita do mundo e do local mais sagrado do Islã, o Masjid al Haram.





VIADUTO DE MILLAU

MILLAU // FRANÇA

Inaugurada em dezembro de 2004, a ponte impressiona por sua altura e seu comprimento. Seu vão central fica a 342 metros do chão e sua pista percorre um trajeto de 2.460 metros, atravessando o Rio Tarn na altura da cidade de Millau, no Sul da França. A construção resolveu um antigo problema de quem viajava de Paris até Barcelona: os grandes congestionamentos que se formavam na região, já que, para cruzar o vale do rio era preciso percorrer uma estrada longa e sinuosa. O viaduto é  formado por oito trechos construídos com aço, suportados por cabos estaiados escorados em sete pilares de concreto, o que faz dele a maior via sustentada do mundo. Para obter as 70 mil toneladas de areia e as 80 mil toneladas de cascalho necessárias para produzir o concreto, foi aberta uma pedreira de 70 metros de profundidade.





LEIA TAMBÉM: 10 estádios mais bonitos do mundo





CANAL DO PANAMÁ

CIDADE DO PANAMÁ // PANAMÁ

Um dos projetos de engenharia mais complexos do mundo foi inaugurado em agosto de 1914, depois de mais de dez anos de construção. Atravessar o istmo do Panamá era um desejo antigo de vários países, já que a viagem entre os Oceanos Atlântico e Pacífico era longa, durando semanas, e arriscada. Para ir de um ponto ao outro era preciso percorrer as águas geladas e turbulentas da passagem de Drake, entre a extremidade Sul da América do Sul e a Antártica, ou o Estreito de Magalhães, no extremo Sul do Chile. Com a criação do canal, o trajeto tornou-se muito mais curto e seguro: as embarcações percorrem seus 77 quilômetros de extensão em algumas horas. A principal dificuldade desta obra era vencer a topografia irregular da região. A solução foi criar um sistema de eclusas capazes de elevar e descer grandes embarcações para que elas pudessem seguir o caminho em segurança.

















MINAS DE DIAMANTE DE MIRNY

MIRNY // RÚSSIA

Apelidada de “umbigo do mundo”, a mina, localizada na Sibéria, é uma cratera colossal, com 1,2 mil metros de diâmetro e 525 metros de profundidade. Para se ter uma ideia, o Pão de Açúcar, com seus 395 metros, caberia facilmente ali entro. Desse gigantesco buraco saem 25% de todos os diamantes espalhados no mundo. Bem natural que seja explorada pela empresa russa Alrosa. A companhia emprega mais de 50% dos habitantes da pequena Mirny, uma cidade geograficamente isolada, cuja principal atividade é a extração da pedra preciosa. Para chegar até lá são seis horas de voo partindo de Moscou, a capital russa, em um trajeto bastante turbulento. Isso porque a pressão das massas de ar próximas ao enorme buraco é muito instável, podendo derrubar helicópteros e aeronaves de pequeno porte. Quem quiser visitar a região também deve se preparar para o frio, já que, no inverno, as temperaturas podem chegar a 40 graus negativos.