Dicas para curtir Foz do Iguaçu

O destino paranaense reserva experiências inesquecíveis, como o espetáculo natural das Cataratas do Iguaçu, a colorida fauna do Parque das Aves e atrações para toda a família no Dream Parks Show. Confira nossas dicas para curtir Foz do Iguaçu





por Bruno Segadilha  |  fotos Gui Gomes





A grandiosidade impressiona. Os sons também. Impossível esquecer o chuvisco no rosto vários metros antes de chegarmos às primeiras cachoeiras. Eleitas uma das Sete Maravilhas Naturais do Mundo e reconhecidas como patrimônio natural da humanidade pela Unesco, as Cataratas do Iguaçu são o tipo de experiência que fica para sempre na lembrança. Pudera. São 275 quedas-d’água e 1,5 milhão de litros jorrando a cada segundo, uma imponente demonstração da força do Rio Iguaçu, na divisa entre Brasil e Argentina. Sim, dividimos esse privilégio com os hermanos que estão do outro lado da margem e ainda compartilhamos outras belezas com o Paraguai, já que a cidade de Foz do Iguaçu, a 640 km da capital paranaense, que abriga o Parque Nacional do Iguaçu, fica na fronteira entre os três países.

Por conta da localização estratégica, Foz do Iguaçu, que recebe voos diretos da Azul, um dos destinos nacionais mais procurados, capaz de agradar visitantes que procuram conexão com a natureza e turistas que querem fazer compras no território paraguaio. Mas não só. Há alguns anos, a cidade vem ganhando mais atrações para aqueles que buscam férias com a família, a exemplo dos parques temáticos e da quantidade cada vez maior de resorts com estrutura para receber crianças. Por isso, reserve alguns dias a mais e deixe Foz do Iguaçu te surpreender.





As cataratas

Na língua Tupi, iguaçu significa muita água. Nada mais apropriado para definir um rio de 1.320 km de extensão, que liga a Serra do Mar ao extremo Oeste do Paraná e forma o maior conjunto de quedas-d’água do mundo. Uma parte delas fica no Brasil e outra, na Argentina. A porção brasileira das cataratas – única aberta para visitação no momento –  fica dentro do Parque Nacional do Iguaçu, a 14 km do Centro de Foz. Os automóveis não entram nesta unidade de conservação ambiental: o visitante deixa o veículo no estacionamento e pega um dos ônibus circulares, que deixam os visitantes em frente às trilhas que levam às cachoeiras.

Deu preguiça só de ler a palavra trilha? Não se preocupe. Estamos falando de um trajeto calçado de 1.300 metros de extensão, com uma lanchonete no meio e vários mirantes, pontos estratégicos para fazer aquela selfie e brilhar nas redes sociais. Portanto, o esforço físico ali é mínimo. Seguindo o caminho, chegamos até a passarela que leva à Garganta do Diabo, a mais famosa e maior do lugar, com 150 metros de largura e 80 metros de altura. Em dias de sol, é bem provável que um arco-íris embeleze ainda mais essa panorâmica. Leve uma capa de chuva e proteja sua câmera porque você vai se molhar. A força das águas é tão grande que, de longe, já é possível sentir as gotículas no rosto. Imagine então na pontinha do mirante, que fica bem na beira da cascata.

O passeio termina em um dos elevadores que nos levam de volta à parte superior do parque. A alguns metros da saída, já é possível ver a entrada do restaurante Porto Canoas. A casa, que no almoço funciona no esquema de bufê, oferece uma vista privilegiada das quedas. É uma chance de assistir ao espetáculo natural de outro ângulo.





LEIA TAMBÉM: Um paraíso em Fernando de Noronha













Para os fãs de uma boa aventura, a dica é conhecer as cataratas bem de pertinho no Macuco Safari. É um dos melhores passeios da região. Começa com um tour de jipe elétrico selva adentro e chega a um cais no Rio Iguaçu. Dali, todos partem em barcos bimotores rio acima, vencendo as fortes corredeiras, observando as cachoeiras – e até passando debaixo de uma das quedas-d’água. Se busca algo ainda mais emocionante, você pode sobrevoar a região de helicóptero. A empresa Helisul oferece tours aéreos de 10 e 30 minutos que passam por cima do rio e das cachoeiras e dão uma ideia da imensidão do lugar. O parque abriga ainda o Hotel Belmond Cataratas, construção de 1949 que chama atenção por seu charme e imponência. Reserve um tempo para tomar o chá da tarde, servido em um de seus terraços. Além da beleza da paisagem, rodeada por Mata Atlântica, é possível saborear os ótimos quitutes preparados ali.









Além do clássico

As atrações de Foz do Iguaçu vão bem além das cataratas. Ao longo dos anos, a cidade ganhou parques de vários estilos. Inaugurado em 1994 pelo casal Dennis e Anna Croukamp, o Parque das Aves tem 2 km de trilhas que cortam a floresta subtropical. Além de um borboletário encantador, o parque tem 28 viveiros, sendo cinco de imersão, em que os visitantes entram e ficam no meio dos animais. Ao todo são 1.600 pássaros de 150 espécies. Alguns dos mais famosos são a jacutinga e o mutum-de-alagoas, além do tucano e das mais de 100 araras.













Já o Dreams Park Show é uma ótima pedida para quem viaja com crianças. O parque tem cinco áreas temáticas, entre elas o Vale dos Dinossauros, uma área com réplicas em tamanho real que se movimentam e ficam espalhadas em uma selva pré-histórica. Já o Museu de Cera traz estátuas de mais de 100 personalidades espalhadas em 17 cenários, enquanto o espaço Maravilhas do Mundo traz cenários e réplicas de grandes construções do mundo como Taj Mahal e as pirâmides do Egito. Para os adultos, a dica são o Ice Bar, um salão feito de gelo onde a temperatura atinge 15 graus negativos, e o Motor Show, restaurante repleto de motos clássicas. O cardápio oferece opções comfort, como batatas fritas com queijo e bacon e costela com molho barbecue, além de uma sobremesa imperdível: um hamburguer de brownie, servido com sorvete e calda de chocolate.

A alguns minutos dali, na mesma Avenida das Cataratas, fica o Movie Cars, parque temático dedicado aos carros que ficaram famosos no cinema. São vários cenários e veículos de filmes como De Volta Para o Futuro (1985), 007 – O Espião Que Me Amava (1977), além de homenagens a personalidades como os Mamonas Assassinas e sua conhecida Brasília amarela. Na saída, a Hamburgueria Temática, uma lanchonete no estilo anos 50, serve ótimos sanduíches, milkshakes e doces.













Outra atração imperdível da região é a Usina Hidrelétrica de Itaipu. Inaugurada em maio de 1984, ela gera 15% de toda energia consumida no Brasil e é considerada um dos marcos da engenharia contemporânea. Os visitantes podem conhecer a usina fazendo o passeio Itaipu Panorâmica, um tour guiado que passa por áreas como as 20 turbinas que geram a energia elétrica e as enormes comportas que contêm o rio Paraná.





A Tríplice Fronteira

Foz do Iguaçu fica numa região privilegiada do mapa brasileiro. Faz divisa com a Argentina e o Paraguai, o que torna o trânsito entre esses três países relativamente simples e comum. Por enquanto, a fronteira com a Argentina continua fechada, mas é possível passar o dia no Paraguai, um dos lugares preferidos dos brasileiros para fazer compras.

As taxas de impostos por lá são mais baixas, por isso, os preços costumam ser bastante amigáveis. Para chegar lá, é preciso atravessar a Ponte da Amizade, construção de 78 metros de altura e 552 de comprimento que atravessa o Rio Paraná e liga os dois países. Você pode fazer de carro ou contratar visitas como as organizadas pela All Brazil Tours. Vale a pena. Os guias conhecem bem cada estabelecimento e dão dicas para ninguém cair em cilada por lá.

Indo sozinho ou em excursão, a dica é: evite os vendedores ambulantes e prefira os shoppings ou estabelecimentos mais conhecidos como a CellShop Importados. A loja ocupa um prédio de vários andares e oferece uma grande variedade produtos, desde roupas a eletrônicos, ponto forte do lugar.













LEIA TAMBÉM: O que fazer nas Cavernas do Peruaçu





No caminho até o País vizinho, é possível observar como a localização de Foz do Iguaçu influenciou sua cultura e boa parte da arquitetura. Região estratégica para o comércio internacional desde os tempos da colonização, a cidade atraiu povos de vários lugares do mundo e, hoje, reúne mais de 80 etnias. O resultado disso pode ser observado em belas construções como a Mesquita Omar Ibn Al-Khattab , que fica no Centro, e o Templo Budista Chen Tien, no bairro Jardim Califórnia, ambos abertos para visitação.

À tardinha, a grande atração é o pôr-do-sol na região da tríplice fronteira. Há duas boas maneiras de apreciar o espetáculo. Uma delas é seguindo para o Marco das Três Fronteiras. Trata-se de um obelisco inaugurado em julho de 1903 para marcar a divisa territorial entre Brasil, Argentina e Paraguai. No seu entorno foram construídas praças com bares e restaurantes como Cabeza de Vaca, que serve ótimos petiscos. Nos mirantes é possível observar o encontro dos rios Paraná e Iguaçu e, mais à noite, espetáculos folclóricos animam os visitantes com música e danças locais.





O segundo modo de contemplar o fim do dia é navegando. A empresa Kattamaram II oferece o passeio Encontro das Águas com jantar a bordo. O percurso começa no rio Iguaçu, passa pela Ponte da Fraternidade, que liga Brasil e Argentina, e segue para o encontro com o Rio Paraná. Dali, vai até a Ponte da Amizade, que conecta Brasil e Paraguai e volta. Não é exagero dizer que a vista provavelmente será uma das mais belas que você já viu. É a água mostrando toda sua força e poder.









Quer conhecer Foz do Iguaçu? Reserve já suas passagens no site da Azul ou programe uma experiência completa na Azul Viagens.