Arcos da Lapa: curiosidades sobre um dos pontos mais famosos do Rio

Conheça os fatos e curiosidades sobre os Arcos da Lapa, a maior estrutura colonial do brasil, que se tornou ponto turístico no Rio de Janeiro

fotos Shutterstock





Certamente, você já deve ter ouvido falar no bairro boêmio da Lapa, um dos mais famosos da Cidade Maravilhosa. Na região, há prédios e casas com fachadas históricas, que ainda preservam um pouco do estilo colonial. Mas o destaque são os Arcos da Lapa, com sua beleza imponente, que conferem um tom especial ao lugar. 

Pensando nisso, vamos apresentar as 5 principais curiosidades sobre os Arcos da Lapa. Afinal, essa é uma obra arquitetônica que não apenas marcou o período colonial, mas que também encanta turistas de todo o mundo. Boa leitura!

Onde ficam os Arcos?

Na atualidade, os Arcos da Lapa são um dos pontos turísticos mais famosos e reconhecidos como uma boa referência para passeios românticos, com família ou amigos. Ele está localizado na Praça Cardeal Câmara, que integra a parte da Zona Central do Rio de Janeiro. 

Assim, esses Arcos são considerados como a porta de entrada para o bairro da Lapa. Nesse trecho, estão duas das principais ruas de destaque da região: Mem de Sá e Riachuelo.  

Depois que foi reestruturada, a linha do bondinho que passa pelos arcos também se tornou uma atração turística local. Atualmente, ela ainda passa sobre os Arcos e, em diferentes horários do dia, faz a conexão entre o Largo da Carioca e o bairro de Santa Teresa. 

Qual é a história dos Arcos da Lapa?

Concluído em 1723, o Aqueduto da Carioca tinha como função transportar água da nascente do Rio Carioca até o Largo da Carioca para a população do Rio de Janeiro. A primeira estrutura, que foi feita com canos de ferro, sofria muito com a corrosão e ferrugem. Por isso, logo precisou de ser substituída por uma resistente liga de concreto misturada com pedra e cal. A reconstrução ocorreu em 1744, por ordem do Conde de Bobadela, governador da época. 

No entanto, os Arcos da Lapa não foram idealizados por acaso. Além de abastecer o Rio de Janeiro com água por três séculos, os Arcos tornaram-se um ponto de encontro da população. Devido à sua altura, eles podiam ser vistos de longe, o que os transformou em um imponente símbolo da cidade.

Diante de sua beleza e imponência, até hoje os Arcos são o símbolo da Lapa, o bairro mais boêmio da cidade. A região é um convite ao lazer, pois é repleta de bares, restaurantes e barracas de drinques. Além do tom alegre e festivo do povo carioca, é claro. Por isso, ao visitar a Cidade Maravilhosa, inclua os Arcos da Lapa em seu roteiro.

Quais são as 5 curiosidades sobre os Arcos da Lapa?

Além da vida noturna, excelentes opções de pubs, restaurantes, spas e hotéis de luxo, a região da Lapa é uma das melhores alternativas para quem visita o Rio de Janeiro. Contemplar, de perto, a beleza dos Arcos e explorar o bairro e suas redondezas é, certamente, uma experiência maravilhosa pela cidade.

Diante da importância de divulgar pontos turísticos e os roteiros econômicos que facilitam viajar com a família ou com amigos, listamos as principais curiosidades sobre essa obra monumental. Confira!

1. Quantidade de Arcos

Em primeiro lugar, vamos revelar a quantidade de Arcos que compõem esse ponto turístico: são 42 arcos duplos. Além disso, a estrutura branca tem 270 m de comprimento e 17,6 m de altura. Em 1747, os Arcos ganharam ainda mais notoriedade com o acréscimo de uma abóbada de tijolos.

Esse charme a mais tinha um motivo funcional: a parede de tijolos servia para evitar desvios ilegais de água. Além da beleza arquitetônica inspirada no Aqueduto das Águas Livres, de Lisboa, em Portugal, essa complemento tornou os arcos ainda mais bonitos.

2. Materiais utilizados na construção

Quando os Arcos foram construídos, a primeira estrutura foi baseada em pesados canos de ferro, que reforçaram a majestosa estrutura. Porém, devido à proximidade da praia, a maresia intensificava a corrosão das peças. Por esse motivo, a estrutura precisou ser trocada porque o material era pouco resistente às condições climáticas locais.

Segundo a história regional, isso influenciou bastante a decisão do Conde de Bobadela — o governador do Rio na época, Gomes Freire de Andrade — na reconstrução dos Arcos. Dessa vez, alguns fatores foram considerados e o governador ordenou o uso de materiais mais resistentes e que também fossem mais seguros. 

Assim, materiais como pedra e cal foram os mais usados para reconstruir o aqueduto. Para tornar a massa de concreto mais resistente, os engenheiros da época misturaram óleo de baleia no material. Isso tornou a liga de concreto extremamente forte e resistente. Na época, esse composto já era empregado na construção civil de todo o país.

3. Período de atividade dos aquedutos

Por volta de 1850, a rede de abastecimento de água do Rio avançou e foi modernizada. Com isso, perdeu sua utilidade. Com os investimentos na urbanização da cidade, surgiram os primeiros bondinhos nas ruas da cidade. O primeiro bondinho apareceu em 1859, era bem arcaico e puxado por mulas. Foi apresentado ao povo carioca pelo imperador Dom Pedro II. 

Anos mais tarde, os novos bondes a vapor, aos poucos, substituíram as mulas. Assim, no final do século XIX, os Arcos da Lapa foram conectados ao sistema público de bondinhos da cidade e se tornaram o principal meio de transporte regional.

4. Simbologia e aspectos culturais

Todos que visitam o bairro ou suas imediações notam os Arcos. Para os nativos e frequentadores da região, a imagem já foi impregnada na memória desde a primeira visualização do monumento. Porém, o que poucos sabem é que os Arcos já foram chamados de Aqueduto da Carioca, já que foram construídos com a finalidade de abastecimento de água.

5. Função dos Arcos na atualidade

No ano de 2015, a cidade do Rio de Janeiro foi reestruturada, pois no ano seguinte seria a sede oficial dos Jogos Olímpicos. Assim, os Arcos também receberam um toque especial no visual. Além da nova pintura, com a reforma dos trilhos e novos bondes, o sistema voltou a operar. Hoje, o serviço está ativo e liga o Túnel Dois Irmãos à Estação Carioca.

Mas, com o passar do tempo, os Arcos da Lapa mudaram a sua funcionalidade. Com as novas alternativas para o abastecimento de água, o aqueduto tornou-se uma via alternativa para quem aprecia um passeio nos bondes elétricos que ainda circulam ativamente pelo bairro.

O que pode ser visitado nas redondezas dos Arcos da Lapa?

Nas redondezas dos Arcos da Lapa, turistas e visitantes locais podem conhecer duas das mais importantes casas noturnas da região: a Fundição Progresso e o Circo Voador. Desde que foram criadas, elas funcionam como importantes complexos culturais de referência da música e da arte nacional.

Tais espaços são utilizados para divulgação da arte e da cultura, além de servirem como palco para grandes shows musicais. Com frequência, essas casas recebem grandes personalidades de grande expressão musical, nacionais e internacionais. Nos Arcos também acontecem apresentações e shows. Os eventos são realizados na Praça dos Arcos e recebem moradores e turistas do Brasil e do mundo.

Portanto, os Arcos da Lapa são um dos mais belos monumentos do Rio de Janeiro. Desde quando começaram a ser planejados, até hoje, essa estrutura representa um pouco da história, arquitetura e beleza da região fluminense. Revestidos de uma simbologia ímpar, eles são um dos famosos cartões postais da cidade, um dos destinos que você precisa conhecer.

Agora que já conhece as curiosidades sobre os Arcos da Lapa, confira promoções de passagens para o Rio de Janeiro!

LEIA TAMBÉM: As 9 escadarias mais incríveis do mundo