10 edifícios mais icônicos do mundo

Prédios e arranha-céus compõem de forma majestosa a paisagem das grandes metrópoles. Conheça os 10 edifícios icônicos, belos e simbólicos do mundo

por Bruno Segadilha | fotos Shutterstock





Edifício Copan

São Paulo // Brasil

Suas curvas são inconfundíveis. Concebido por Oscar Niemeyer para as comemorações do quarto centenário de São Paulo, celebrado em 1954, o Edifício Copan foi inaugurado apenas em 1966, depois de alguns atrasos na obra. O plano inicial era construir um centro urbanístico no modelo do Rockfeller Center, em Nova York, com residências, comércio, teatro e um hotel, mas nem todas essas ideias saíram do papel. Ao todo são 1.160 apartamentos distribuídos em seis blocos e 32 andares, o que faz dele o  maior prédio habitacional do mundo. O andar térreo abriga uma área comercial com 72 lojas. Sua geometria sinuosa, criada para servir de contraponto aos edifícios quadrados de São Paulo, assim como a fachada, composta de frisos de concreto, fez  dele símbolo da arquitetura modernista brasileira e um dos principais cartões-postais da cidade. 





Burj Khalifa

Dubai // Emirados Árabes Unidos

Erguido entre setembro de 2004 e janeiro de 2010, o Burj Khalifa tem 160 andares e 828 metros, o que faz dele o mais alto do mundo. Tão grande, que pode ser visto a 95 km de distância. O arquiteto estadunidense Adrian Smith, idealizador do projeto, precisou criar um tipo de concreto que não secasse muito rapidamente e nem rachasse no clima quente e seco da região. A substância deveria ser capaz, ainda, de suportar a pressão gerada pela enorme quantidade de andares do empreendimento, que abriga escritórios, apartamentos residenciais e a primeira unidade do Armani Hotel, além do deque de observação At the Top, no 124º andar. De lá é possível admirar as grandes construções da cidade, o mar do Golfo Pérsico e o deserto. O desenho do arranha-céu, revestido com alumínio e painéis de vidro, também levou em consideração as fortes correntes de vento a que a torre seria submetida. Assim o Burj Khalifa tornou-se um dos principais símbolos da arquitetura neofuturista. 





LEIA TAMBÉM: 6 castelos para você visitar





Torres Petronas

Kuala Lumpur // Malásia

Obra do arquiteto argentino César Pelli, as Torres Petronas foram inauguradas em 1998 e são a 14º construção mais alta do mundo, com 88 andares e 452 metros de altura. Elas foram desenhadas na forma de uma estrela de oito pontas, representando os pilares do islamismo, e fazem parte do complexo KLCC (Kuala Lumpur City Center). O conjunto conta ainda com mais um edifício, escritórios, um shopping, salas de cinema e um aquário. A visita guiada dá acesso a dois pontos importantes da construção: a ponte Skybridge, que liga as torres, a 170 m de altura, coberta de vidro, e o Observation Deck, no 86º andar, que propicia uma vista ainda mais impressionante. Dali o visitante tem a impressão de estar no topo de uma montanha, vendo os imensos arranha-céus da metrópole em tamanho diminuto. 





Tokyo Skytree

Tóquio // Japão

Em 2011, com o fim da TV analógica no Japão, os japoneses perceberam que sua antiga torre de transmissão, uma construção de 1958 inspirada na Torre Eiffel, estava obsoleta. Para substituí-la construíram a Tokyo Skytree, a segunda maior estrutura do planeta, depois do Burj Khalifa, de Dubai. Com 634 metros de altura, ela forma uma enorme sombra no bairro Musashi (uma das maneiras de se pronunciar o número 634 em japonês) e é usada por rádios, serviços de internet e canais de televisão, incluindo a famosa NHK. A torre, triangular em sua base e circular na ponta, para resistir aos ventos e tufões da região, tem duas plataformas de observação, situadas a 350 e 450 metros de altura, para que os visitantes possam contemplar a capital de cima.





LEIA TAMBÉM: 10 casas de ópera mais belas do mundo





The Gherkin

Londres // Inglaterra

Há quem o ame e quem o odeie. O fato é que, desde sua inauguração, em abril de 2004, o 30 St. Mary Axe, apelidado de The Gherkin (o pepino, em inglês) mudou a paisagem de Londres. Idealizado pelo arquiteto britânico Norman Foster, o prédio fica bem no centro comercial da cidade e foi projetado para ser sustentável. Sua fachada de vidro, permite uma iluminação natural durante o dia e sua estrutura de metal possui poços que funcionam como um sistema de ventilação. No terraço, localizado no 40º andar, funciona o Helix, um restaurante que oferece vista de Londres. 





Freedom Tower

Nova York // Estados Unidos

Batizado oficialmente como One World Trade Center, é um projeto do arquiteto estadunidense David Childs, construído no terreno onde ficavam as torres gêmeas do World Trade Center, destruídas em 2001. Tem 104 andares e 541 metros de altura, sendo o 3º prédio mais alto do mundo. Suas bordas chanfradas para trás formam oito triângulos isósceles, cuja base é um octógono perfeito no centro. A superfície da base é revestida com mais de 2 mil peças de vidro prismático brilhante. Do 100º  ao 102º  andar fica o One World Observatory, que oferece uma vista panorâmica de Manhattan. Subir até lá, aliás, é também uma atração imperdível. Cinco elevadores levam os visitantes ao 102º andar em apenas um minuto e, durante o trajeto, telões exibem um filme sobre a construção de Nova York, desde os tempos da colonização até o surgimento dos imensos arranha-céus. 





LEIA TAMBÉM: As 9 estações de metrô mais incríveis





F&F Tower

Cidade do Panamá // Panamá

Localizada no distrito financeiro da capital do Panamá, a torre tem 52 andares que formam uma espiral de 233 metros de altura. Não à toa, a construção, que é visível em toda a cidade, ganhou o apelido de Tornillo, que significa espiral, em espanhol, mas há quem a chame também de Torre da Revolução, esse nome foi usado por causa do seu desenho revolucionário. A torre foi construída pelo escritório panamenho de arquitetura Pinzón Lozano y Asociados e foi concluída em 2011 pela F&F Properties. No mesmo ano o projeto venceu o grande prêmio da Emporis Skyscraper Award, a maior premiação da arquitetura mundial, tornando-se um marco para o setor da construção não apenas no Panamá, mas também na América Latina.





Edifício Altino Arantes

São Paulo // Brasil

Um dos principais cartões-postais da capital paulista, o prédio foi inaugurado em junho de 1947 para abrigar o antigo Banco Banespa. Possui por volta de 161 metros de altura e é o terceiro arranha-céu mais alto da cidade de São Paulo. A construção foi  concebida pelo renomado arquiteto Plínio Botelho do Amaral, mas seu projeto inicial foi adaptado pela construtora Camargo & Mesquita para que lembrasse o Empire State Building, de Nova York. Desde 2018 o edifício abriga o Farol Santander SP, que possui atrações culturais em 18 de seus 35 andares, um café e um mirante. Dali de cima é possível avistar toda a cidade, incluindo pontos como a Avenida Paulista, várias construções famosas do Centro, além da Serra do Mar e do Pico do Jaraguá.





LEIA TAMBÉM: As 9 escadarias mais incríveis do mundo





Empire State Building

Nova York // Estados Unidos

Menos de um mês antes da quebra da Bolsa de Valores de 1929, o então governador de Nova York, Alfred E. Smith, e seu parceiro financeiro, John Jakob Raskob, convocaram uma reunião com os ricos empresários da cidade. Buscavam uma solução para o desastre financeiro que se aproximava: uma torre de escritórios que serviria de estímulo aos americanos e geraria muitos empregos. Surgiu assim o Empire State Building, com 102 andares e por volta de 381 metros de altura, cujo estilo art déco inspirou arquitetos do mundo inteiro. A construção durou apenas um ano e 45 dias, graças aos 3.500 trabalhadores da obra, que erguiam quatro andares por semana. Seus dois observatórios (no 86º e no 102º andar) oferecem uma panorâmica da ilha de Manhattan e até mesmo de Nova Jersey. Não à toa, o edifício atrai cerca de 4 milhões de visitantes por ano.  





Palácio Barolo

Buenos Aires // Argentina

Em 1919, o empresário Luis Barolo encomendou ao arquiteto argentino Mario Palanti um edifício inspirado em A Divina Comédia, de Dante Alighieri. Inaugurado em 1924, o Palácio Barolo tem de 100 metros de altura, o mesmo número de cantos do livro, e 22 andares, a exata quantidade de estrofes da obra. Assim como a criação de Alighieri, o prédio é dividido em três partes – inferno, purgatório e céu – e possui um farol que representa os nove coros angelicais criados pelo escritor italiano. Sua arquitetura não segue um estilo único. Ela sofreu influência dos gêneros europeus da época, como o neogótico e o neorromântico. A cúpula no alto foi inspirada no templo indiano de Rajarani Bhubaneshvar, do século 12. O Palácio Barolo tem programa de visitação guiada e o bar Salón 1923, com jazz ao vivo, no 16º andar.