Terapias alternativas para acalmar a mente

por Bruno Segadilha | fotos Unsplash 

Vivemos tempos de profunda reflexão. Em um momento em que passamos tanto tempo em casa, muitos são os nossos questionamentos e grandes a chances de nos reconectarmos com nós mesmos.  Nesse sentido, práticas como meditação, reiki, além da análise dos astros pela astrologia têm ganhado cada vez mais relevância. Mas, afinal, o que elas nos dizem sobre a fase atual e como elas podem nos ajudar?





GRANDE CONJUNÇÃO

Segundo a astrologia, a conjunção entre Saturno e Plutão no signo de capricórnio ajuda a explicar o atual momento. Esse alinhamento, que permanece até o final de 2020 e ganhou mais força com a chegada de Júpiter no mês de março, traz uma reformulação nas estruturas sociais e econômicas. “É uma chance para pararmos e repensarmos tudo, porque a vida não vai voltar ao normal, pelo menos do jeito que a conhecemos. Quem é essencial na nossa vida? Quais são os vínculos verdadeiros?”, diz a astróloga Rosa Di Maulo. Segundo Rosa, de maio a agosto, estes três astros vão entrar em um movimento de retrogradação (quando o corpo celeste, em seu movimento normal, parece estar caminhando para trás na visão de um observador terrestre), o que vai aprofundar a necessidade de reflexão. “É um movimento que vai trazer cobranças de quem não está levando a sério a atual situação. Não tem jeito: mesmo contra nossa vontade, vamos ter que mudar”, diz Rosa.





ENERGIA NAS MÃOS

Prática muito comum na marinha nipônica até a 2ª Guerra Mundial, o reiki foi criado pelo japonês Mikau Usui em 1922. A técnica consiste em uma transferência de energia por meio das mãos para aliviar dores, promover equilíbrio emocional e físico e ajudar no bem-estar. “O reiki é um tratamento que pode durar apenas uma sessão ou semanas. O importante é que ele pode nos ajudar a mudar nossa forma de pensar, nos leva a reavaliar nossos hábitos. E isso é fundamental nos casos em que a enfermidade e o mal-estar têm causa psicossomática”, diz Eliana, que dirige a Casa do Reiki, em Nova Friburgo, no Rio. O lugar está fechado para cumprir as normas de isolamento social, mas os atendimentos, gratuitos, continuam de forma virtual na página do Facebook da casa. Sobre a atual pandemia, Eliana acredita que ela seja um mal necessário. “Estávamos vivendo numa loucura, fazendo muito mal ao ambiente. Estamos agora fazendo uma pausa forçada, um momento ideal para gente refletir sobre a nossa vida”, diz.





RESPIRAR PARA NÃO PIRAR

A psicóloga Chris Vilhena, que mantém uma clínica focada em qualidade de vida em Florianópolis, consegue enxergar a atual crise como uma chance de aprendizado. “É um momento sério, claro, mas uma oportunidade de crescimento. A gente sempre tem algo a aprender com a dor”, diz. Ela acredita que as nossas reações diante da pandemia refletem padrões de comportamento que se repetiriam em qualquer situação. “A gente pode aprender muito observando nossa forma de lidar com isso tudo. O que as nossas reações refletem sobre a gente?”, afirma. Uma das maneiras de lidar melhor com o medo é fazendo exercícios de respiração, algo que ela tem ensinado nas lives Respira, Não Pira, que são feitas todos os dias, às 9h da manhã, em seu perfil, o @christianevilhena. “Uma dica para quem está em casa e está se sentindo mal, aflito. Pare o que estiver fazendo e se sente. E for no chão, pernas cruzadas. Se for na cadeira, plantas dos pés no chão. Inspire o ar com o nariz contando até quatro. Depois solte o ar contando até oito. Faça isso umas dez vezes. É um exercício que aclama bastante”, diz.





LEIA TAMBÉM: Sandra Teschner: “É possível ser feliz na crise”